As Três Penas do Rabo de Grifo com Ana Luísa Lacombe‏

faz_e_conta_2014___FMO1147

As histórias são como tecidos, bordados, com cruzamentos de linhas e motes, e o acabamento da obra, depois de feita, demonstra o quão preciosa é a peça, o trabalho. Ana Luisa Lacombe, atriz premiada por seus inúmeros espetáculos voltados ao público infantil e infanto-juvenil, volta aos palcos com um novo espetáculo: As Três Penas do Rabo do Grifo, com estreia marcada para o dia 5 de abril de 2014 no Teatro Sergio Cardoso, sala Paschoal Carlos Magno, na Bela Vista, São Paulo.

Para escrever essa dramaturgia – juntamente com o também premiado autor Paulo Rogério Lopes – Ana Luísa recorreu à memória, pois foi da boca de sua mãe que ouviu pela primeira vez essa história, quando ainda era bem pequena. Mas foi sua bisavó Nita quem mesclou referências da literatura (dos irmãos Grimm e dos folcloristas alemães Ignaz e Josef Zingerle) e legou a essa geração de mulheres a arte de transmitir histórias e, aliado a esse dom, a maestria em ter as mãos ocupadas com lãs, linhas e agulhas.

Ana Luisa Lacombe tem a certeza, ao criar esse novo espetáculo, que o poder de fazer coisas belas com as mãos está intrínseco em sua genealogia – sua avó se dedicou às aquarelas e sua mãe a criar jogos artesanais – e agora ela transforma história, tricôs, bordados, tapeçarias e costuras em espetáculos.

Um rapaz tolo e bom, João, consegue salvar a vida da princesa dando-lhe uma maçã que cura sua doença. Mas o rei não quer entregar a mão da filha para um João Ninguém. Impinge tarefas ao menino que, com a ajuda de um anãozinho, vai conseguindo cumpri-las. A última e mais difícil é conseguir três penas do rabo do grifo, monstro terrível devorador de gente. Ele sai em busca das penas e conhece pessoas pelo caminho a quem promete ajudar trazendo as respostas dadas pelo grifo para seus problemas.

Quando chega na casa da fera é recebido pela criada do animal que o acolhe. Ela o ajuda a pegar as penas e a responder as questões dos seus amigos.

Ele volta vitorioso e ajuda a todos no caminho, recebendo belas recompensas, chegando rico ao palácio. Depois de o rei titubear, a princesa o obriga a cumprir a palavra.  João finalmente casa-se com a princesa e vivem felizes para sempre.

Ficha técnica
Idealização:
Ana Luísa Lacombe
Texto: Ana Luísa Lacombe e Paulo Rogério Lopes
Direção: Paulo Rogério Lopes
Trilha original, sonoplastia e percussão: Betinho Sodré
Canções originais: Jean Garfunkel
Preparação Corporal: Leila Garcia
Criação do Cenário: Paulo Rogério Lopes, Ana Luísa Lacombe
Design do Cenário, pinturas e adereços: Marcos Botassi
Figurinos: Ana Luísa Lacombe
Desenho de Luz: Ari Nagô
Costureira: Judite de Lima
Assistente de Direção: Suzana Rebelov
Produção executiva: Gabriella Reis
Fotos: Flavio Moraes
Assessoria de Imprensa: Canal Aberto
Realização: Faz e Conta

Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno
Estreia dia 5/04 sábado às 16 horas
Temporada aos sábados e domingos às 16 horas até dia 1/06/2013
(com exceção dos dias 3 e 4/05 quando não haverá apresentações)
Tempo de duração: 50 minutos
Ingresso: 30 reais e 15 reais (meia)

Apoio: Projeto Realizado com o Apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura, Programa de Ação Cultural 2014

faz_e_conta_2014___FMO1147

As histórias são como tecidos, bordados, com cruzamentos de linhas e motes, e o acabamento da obra, depois de feita, demonstra o quão preciosa é a peça, o trabalho. Ana Luisa Lacombe, atriz premiada por seus inúmeros espetáculos voltados ao público infantil e infanto-juvenil, volta aos palcos com um novo espetáculo: As Três Penas do Rabo do Grifo, com estreia marcada para o dia 5 de abril de 2014 no Teatro Sergio Cardoso, sala Paschoal Carlos Magno, na Bela Vista, São Paulo.

Para escrever essa dramaturgia – juntamente com o também premiado autor Paulo Rogério Lopes – Ana Luísa recorreu à memória, pois foi da boca de sua mãe que ouviu pela primeira vez essa história, quando ainda era bem pequena. Mas foi sua bisavó Nita quem mesclou referências da literatura (dos irmãos Grimm e dos folcloristas alemães Ignaz e Josef Zingerle) e legou a essa geração de mulheres a arte de transmitir histórias e, aliado a esse dom, a maestria em ter as mãos ocupadas com lãs, linhas e agulhas.

Ana Luisa Lacombe tem a certeza, ao criar esse novo espetáculo, que o poder de fazer coisas belas com as mãos está intrínseco em sua genealogia – sua avó se dedicou às aquarelas e sua mãe a criar jogos artesanais – e agora ela transforma história, tricôs, bordados, tapeçarias e costuras em espetáculos.

Um rapaz tolo e bom, João, consegue salvar a vida da princesa dando-lhe uma maçã que cura sua doença. Mas o rei não quer entregar a mão da filha para um João Ninguém. Impinge tarefas ao menino que, com a ajuda de um anãozinho, vai conseguindo cumpri-las. A última e mais difícil é conseguir três penas do rabo do grifo, monstro terrível devorador de gente. Ele sai em busca das penas e conhece pessoas pelo caminho a quem promete ajudar trazendo as respostas dadas pelo grifo para seus problemas.

Quando chega na casa da fera é recebido pela criada do animal que o acolhe. Ela o ajuda a pegar as penas e a responder as questões dos seus amigos.

Ele volta vitorioso e ajuda a todos no caminho, recebendo belas recompensas, chegando rico ao palácio. Depois de o rei titubear, a princesa o obriga a cumprir a palavra.  João finalmente casa-se com a princesa e vivem felizes para sempre.

Ficha técnica
Idealização:
Ana Luísa Lacombe
Texto: Ana Luísa Lacombe e Paulo Rogério Lopes
Direção: Paulo Rogério Lopes
Trilha original, sonoplastia e percussão: Betinho Sodré
Canções originais: Jean Garfunkel
Preparação Corporal: Leila Garcia
Criação do Cenário: Paulo Rogério Lopes, Ana Luísa Lacombe
Design do Cenário, pinturas e adereços: Marcos Botassi
Figurinos: Ana Luísa Lacombe
Desenho de Luz: Ari Nagô
Costureira: Judite de Lima
Assistente de Direção: Suzana Rebelov
Produção executiva: Gabriella Reis
Fotos: Flavio Moraes
Assessoria de Imprensa: Canal Aberto
Realização: Faz e Conta

Teatro Sergio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno
Estreia dia 5/04 sábado às 16 horas
Temporada aos sábados e domingos às 16 horas até dia 1/06/2013
(com exceção dos dias 3 e 4/05 quando não haverá apresentações)
Tempo de duração: 50 minutos
Ingresso: 30 reais e 15 reais (meia)

Apoio: Projeto Realizado com o Apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura, Programa de Ação Cultural 2014