Home / Crianças / Espetáculo infantil Mequetrefe Sorrateiro de Marcello Airoldi estreia no Teatro Porto Seguro

Espetáculo infantil Mequetrefe Sorrateiro de Marcello Airoldi estreia no Teatro Porto Seguro

Mequetrefe Sorrateiro  aborda o universo afetivo de um menino diante da separação de seus pais e sua transição da infância para a adolescência. Com muita música, poesia e animações, a história de Menino é contada a partir de suas tristezas e alegrias e as consequências que estas trazem em seu aprendizado e amadurecimento. Em sua trajetória, o contato com outros personagens o ajuda a reencontrar caminhos que pareciam perdidos. Temas como relacionamento, convívio com as diferenças e a autoconfiança são abordados no texto, apontando para o desenvolvimento saudável da criança.

Certo de que a arte é uma das chaves para o melhor convívio entre o indivíduo e a sociedade, o autor e diretor Marcello Airoldi conta que o personagem menino não é inspirado em ninguém especificamente, mas tem características presentes em toda criança, seja ela menino ou menina. “A peça fala, entre outras coisas, que a experiência faz a gente amadurecer, crescer. As aventuras vividas pelo Menino fogem do tempo cronológico e da realidade dos espaços. O quintal de sua casa é um lugar onde tudo pode acontecer, de acordo com sua imaginação. É também o lugar onde o teatro se dá, onde a poesia nasce e o tempo se transforma. A transição da infância para a adolescência acontece porque ele teve de viver o que a vida lhe ofereceu. Ele convive com outros personagens cheios de histórias e vive a experiência de que a memória é um dos bens mais preciosos da vida”, afirma.

O espetáculo tem dramaturgia construída a partir de rimas e canções. Uma das ideias é que as palavras não apenas carreguem seus significados, mas sejam elementos de provocação a novos sentidos. Na peça, as palavras encadeiam poemas, jogos, trazem novos olhares para os mesmos símbolos já conhecidos. As rimas dão musicalidade às frases, embalando um jeito de ouvir a história que foge do convencional, caracterizando uma estética na composição das cenas.

A importância da palavra na peça fica mais clara à medida que Menino, protagonista da trama, vai perdendo a capacidade de ler. Ele deixa de compreender os significados das palavras e até mesmo de enxergá-las, quando escritas. Além disso, Menino perde a capacidade de ver as cores e de ouvir músicas.

Esses elementos – palavras, músicas e cores – são símbolos de sua relação com a maturidade. Este rito de passagem entre a infância e a adolescência carrega o ambiente propício para o surgimento do Mequetrefe Sorrateiro, personagem invisível, fantástico, que atormenta o dia a dia da criança roubando seus prazeres e sensibilidades, chaves fundamentais para seu desenvolvimento.

O texto aborda aspectos difíceis da infância. Os desafios que a vida traz – as perdas, a morte, o amadurecimento, o amor, a amizade, o medo – são tratados de forma contundente. A história apresenta a formação de uma família nova e possível na qual os pais não mais moram juntos, mas têm de conviver. A elaboração de um novo jeito de pensar, um novo jeito de ver o mundo, é transmitida pelo ponto de vista do Menino. Na tentativa de capturar o Mequetrefe Sorrateiro, causador de todos os quiproquós da trama, os personagens fazem contato com suas próprias histórias e percebem o quanto estão ligados uns aos outros, pois apenas sua integração dará conta de resolver os problemas. Elias, o poeta do quintal, mostra que não há receita ou armadilha para dominar o Mequetrefe Sorrateiro, personagem que habita os aspectos sombrios de todos nós e que reaparece de tempos em tempos, mas que ignorá-lo é esconder-se de si mesmo.

Ficha Técnica

Texto e direção Marcello Airoldi.
Direção musical e composições: Juh Vieira.
Letras Marcello Airoldi.
Elenco André Capuano,Dani Moreno, Eugênio La Sálvia, Fagundes Emanuel,  Juh Vieira,  William Guedes  e Mauricio Damasceno.
Assistente de direção Carolina Parra.
Cenário Marcello Airoldi.
Cenotécnico Zé Waldir.
Figurinos Marichilene Artisevskis.
Visagismo Emi Sato Nagano.
Animações Marcos Faria.
Desenho de luz Aline Santini.
Boneco Juh Vieira.
Fotos Priscila Prade.
Conceito visual e diagramação Murilo Lima.
Mídia digital Gigi Prade.
Assessoria de Imprensa Morente Forte.
Direção de produção Priscila Prade.
Produção executiva Bila Bueno e Carolina Parra.
ProduçãoBricabraque Produções.
Realização Teatro de Perto.

MEQUETREFE SORRATEIRO de Marcello Airoldi

De 28 de outubro a 3 de dezembro, sábados e domingo às 15h.

Ingressos: R$ 50,00 plateia / R$ 30,00 balcão e frisas.

Classificação: Livre.

Duração: 60 minutos.

Gênero: Espetáculo infantil.

TEATRO PORTO SEGURO

Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo.

Telefone (11) 3226.7300.

Bilheteria:De terça a sábado, das 13h às 21h e domingos, das 12h às 19h.

Capacidade: 496 lugares.

Formas de pagamento: Todos os cartões de crédito e débito (exceto Cabal, Sorocred e Goodcard).

Acessibilidade:10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.

Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) – Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto.

Serviço de Vans: TRANSPORTE GRATUITO ESTAÇÃO LUZ – TEATRO PORTO SEGURO – ESTAÇÃO LUZ. O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro. COMO PEGAR: Na Estação Luz, na saída Rua José Paulino/Praça da Luz/Pinacoteca, vans personalizadas passam em frente ao local indicado para pegar os espectadores. Para mais informações, contate a equipe do Teatro Porto Seguro.

Bicicletário – grátis.

 

Gemma Restaurante:Terças a sextas-feiras das 10h às 19h; sábados das 10 às 18h e domingos das 10h às 16h. Happy hour quartas, quintas e sextas-feiras até 21h.

Vendaswww.ingressorapido.com.br

Sitehttp://www.teatroportoseguro.com.br

Sobre ArteView

Veja Também

11 Selvagens prorrogado até 2 de dezembro

Em cartaz no Teatro Pequeno Ato, o espetáculo 11 Selvagens tem a temporada prorrogada até 2 de dezembro, com sessões sexta-feiras, às …

Deixe uma resposta